Trump x Biden: Blockchain nas eleições norte-americanas

  1. Início
  2. Informação
  3. Trump x Biden: Blockchain nas eleições norte-americanas

Trump x Biden: Blockchain nas eleições norte-americanas

O período eleitoral sempre mexe com o dia a dia das pessoas, e principalmente do noticiário. Se as eleições municipais aqui no Brasil já são o suficiente para agitar muita gente, a votação para definir o novo presidente dos Estados Unidos está atraindo a atenção do mundo.

É engraçado pensar que um país tão desenvolvido tecnologicamente, o sistema eleitoral ainda seja bastante arcaico. Embora a legislação varie entre os estados da União, o método de votação ainda é predominante em cédulas de papel depositadas em urnas oficiais que, após o período de coleta, são enviadas para contagem. Hoje, com a situação da pandemia do novo coronavírus, é possível votar via correio, também com apontamento físico.

Esse estilo de votação é lento – tanto que o resultado deve levar dias para ser confirmado – e passível de erro humano ou corrupção. Recentemente, os jornais norte-americanos estamparam uma notícia de que o partido Republicano instalou urnas não-oficiais, como se fossem originais, em vários pontos da Califórnia. Questionado após a determinação para a retirada do equipamento, o partido disse que esse procedimento era legal e que continuaria com as urnas “falsas”. Não cabe aqui discutir os motivos e as pretensões do uso desse tipo de ferramenta. Porém, a prática levanta a dúvida sobre a segurança dos votos nas eleições.

Com o uso do Blockchain no sistema eleitoral, uma série de fraudes poderia ser combatida. A tecnologia, por exemplo, impediria que urnas fossem saqueadas, e votos depositados pudessem ser retirados ou eliminados por concorrentes. Afinal, o registro do voto estaria na cadeia de informações, de forma imutável e protegido pela rede de nodes.

A contagem também seria extremamente mais rápida. Se o sistema informatizado já é o suficiente para aliviar muitas horas de análise manual, o Blockchain ainda economizaria tempo com o transporte dos HDs das urnas, já que a segurança do equipamento também seria garantida pelo próprio Blockchain. E, obviamente, os erros humanos seriam praticamente eliminados, já que a contagem não dependeria de uma pessoa, mas, sim do computador, que passaria por o crivo de vários nós.

O Blockchain ainda segue sendo discutido na implementação de processos de votação em diversos países. O passo para isso, porém, depende da boa vontade de algumas autoridades. Mesmo assim, o processo parece estar cada vez mais veloz e, em um futuro breve, devemos ver o Blockchain nas urnas eletrônicas de todo o mundo.

Para se ter uma ideia, a agência de notícias norte-americana The Associated Press (AP) está aplicando o Blockchain para fazer sua tradicional contagem de votos na disputa Trump X Biden. Para isso, foram disponibilizadas equipes especializadas nos 50 estados do país para fazer a coleta de dados dos eleitores. As informações serão assinadas criptograficamente.

Embora essa seja a aplicação mais recente em um processo eleitoral, algumas cidades do Estados Unidos e do Canadá também já implementaram a tecnologia Blockchain em algumas votações, com grande sucesso. Por isso, esses pequenos casos de uso podem mostrar que o Blockchain é, de fato, uma grande ferramenta que pode coibir a ação maliciosa dos envolvidos no processo de votação em todo o mundo, levando maior confiabilidade ao resultado final!

Menu