Blockchain no combate à violência contra mulher

  1. Início
  2. Blockchain
  3. Blockchain no combate à violência contra mulher

Blockchain no combate à violência contra mulher

Entre o ano de 2020 e 2021, os crimes de violência contra a mulher aumentaram. Em meio a  pandemia do novo coronavírus os casos cresceram e, só no ano passado, foram registradas mais de 105 mil denúncias. 

Diante desse cenário, duas empresas se juntaram para tentar ajudar as mulheres na autenticação de provas desses crimes. Com o auxílio da tecnologia blockchain, as vítimas deste crime poderão digitalizar e validar provas em uma plataforma. Com essa validação, os documentos passam a ser incontestáveis juridicamente.

O sistema, chamado de “Posso Provar”, é executado em uma plataforma da empresa OriginalMy e permite que, após o registro das provas, seja gerado um código único e exclusivo, com uma cópia do conteúdo.

A plataforma está disponível desde o dia 08 de março, data em que é comemorado o dia da mulher e tem o apoio de organizações de proteção à mulher. LIDE Mulher, OAB e Woman I Cybersecurity são algumas delas. 

A iniciativa é importante para ajudar as vítimas deste crime, que, de acordo com o governo, é de maioria parda, de idades entre 35 a 39 anos, com ensino médio completo e renda de até um salário mínimo.

Menu